Thursday, July 20, 2006

Director de Recursos Humanos

Title : Temporary or permanent impediment in railway drivers in Portugal (inaptitudes temporaires et définitives chez les conducteurs de trains portugais- Vorübergehende oder Definitive Arbeitsunfähigkeit der Lokführer)
Author : TABORDA J.
Abstract : Conference presented on the UIMC General Assembly in Lisbon (Portugal), in october 2001. A study was conducted on the reasons for unfitness among portuguese train drivers. The main one are :
neurological and psychiatric causes (31%),
hearing loss (14%),
cardiovascular causes (13%)
and work accidents (9%).
The major reasons for temporary unfitness is alcoholism (16%), then psychiatric reasons and after cardiovascular causes. Drivers found to be most unfit are in the age group 50-59 years old. No text available.
Descriptors : Unfitness/Train driver
Title publ. : UIMC General Assembly, Lisbon (Portugal), 17-19 october 2001
Date publ. : 2001-10
Language : FR
Ref. number : MED037249

Dados

Já algum comboio caiu de uma ponte abaixo?

1964, Custóias

1964
July 26, Custoias, Portugal: passenger train derailed; 94 dead.

Friday, July 14, 2006

4 de Julho de 2006

Responsáveis versus maquinistas:

Acidente no metro de Valência faz 41 mortos.
....

Foi precisamente na linha 1 do metro de Valência que, em Setembro de 2005, outro acidente fez 35 feridos graves, o que faz aumentar as suspeitas de falta de segurança. Na altura, a causa do sinistro foi o choque entre duas carruagens - porque o maquinista de uma delas não conseguiu travar a tempo de evitar o embate. As autoridades atribuíram o acidente a "um conjunto de circunstâncias", em particular "o excesso de confiança" dos maquinistas.

(in:http://dn.sapo.pt/2006/07/04/sociedade/acidente_metro_valencia_41_mortos.html)


13 de Janeiro de 2006

Comboio como arma:

O Ministério Público deverá pedir um exame pericial psiquiátrico ao homem de 33 anos,
Cabo-verdiano, suspeito de ter atirado o jovem Bruno Leal para a linha férrea, junto à estação de Belém, na segunda-feira, e que teve morte imediata.
O suspeito estava em Portugal desde Dezembro de 2005 e tinha nacionalidade cabo-verdiana, encontrando-se detido no Estabelecimento Prisional da Gomes Freire, junto à PJ, após o Tribunal de Instrução Criminal ter decretado, na quarta- feira à tarde, a sua prisão preventiva. Fontes ligadas ao processo referiram ao DN que o homem não terá mais família no nosso País. Isto porque apresentou uma morada formal à PSP - supostamente de um familiar - quando foi detido nos primeiros dias de Janeiro, por ter empurrado uma mulher para a linha férrea de Oeiras, que só sofreu escoriações, e encontrar-se numa outra, de um amigo, no momento da detenção. Esta situação terá mesmo levado os investigadores a uma autêntica corrida contra ao tempo, já que era importante impedir que o suspeito voltasse a agir. Entretanto, o gabinete de Relações Públicas do Comando Metropolitano de Lisboa confirmou também que a primeira vítima atirada à linha desistiu de apresentar queixa, o que permitiu que o suspeito se mantivesse em liberdade. Talvez seja esta a razão de a CP desconhecer a ocorrência.
Bruno Leal, filho do coordenador do Serviço de Protecção Civil de Oeiras, estudava numa escola técnico-profissional e frequentava o último ano do curso de electricidade . Era conhecido como "excelente aluno". O funeral realizou-se ontem.

(in:http://dn.sapo.pt/2006/01/13/cidades/mp_pedira_exame_psiquiatrico_a_suspe.html)

Adenda:
Tudo em nome de uma missãoHouve um automobilista que não terá parado na passadeira junto ao edifício da Câmara Municipal de Oeiras quando o suspeito de homicídio tentou atravessar a rua. Foi o suficiente para o cabo-verdiano ficar perturbado. Dias depois, terá empurrado uma jovem para a linha de comboios da estação de Oeiras. O jovem foi de imediato interpelado pela PSP e contou os motivos do seu acto. Castigar as pessoas, por quase ter morrido numa passagem para peões, passou a ser a sua missão. A poucos metros, dentro do seu quiosque, Jorge Monteiro assistiu a tudo. Viu um vulto a empurrar a jovem, que se desequilibrou, deu um passo em falso e caiu sobre as linhas férreas. "A sorte dela é que, naquele momento, não havia comboios a chegar ou a partir", recorda o comerciante. "Teve tempo de se levantar e subir para o apeadeiro". O primeiro impulso de Jorge foi pensar que estava perante uma brincadeira de adolescentes, mas depressa percebeu que se tratava de um acto deliberado. "Chamei a PSP que, em menos de nada, chegou à estação para interrogá-lo". O cabo-verdiano falava alto e explicava que o incidente poderia até ter sido mais grave. Visivelmente revoltado, esclareceu aos agentes que esta era a sua forma de ensinar as pessoas a respeitar as passadeiras para peões. "Percebi de imediato que ele deveria sofrer de perturbações mentais", diz Jorge Monteiro. Dentro da esquadra da PSP junto à estação de comboios de Oeiras, a vítima foi ouvida pela polícia, mas segundo Jorge Monteiro, acabou por não apresentar queixa. "Ela estava na altura muito transtornada e só queria ir embora". A PSP ficou de mãos atadas, limitando-se a registar a ocorrência. O indivíduo não foi detido e partiu em liberdade. "Os agentes voltaram a chamar-me e ficaram com os meus dados para o caso de ser necessário identificá-lo mais tarde", conta o comerciante acrescentando que tanto o suspeito de homicídio como a vítima não eram utentes habituais da estação de Oeiras. "Trabalho aqui há mais de 30 anos e conheço bem as pessoas que habitualmente apanham aqui o comboio", esclarece Jorge Monteiro. Contactado pelo DN o departamento de Relações Públicas da CP esclareceu que não teve conhecimento deste incidente. Caso contrário e, de acordo com fonte da CP, o procedimento correcto passaria por alertar o Comando-Geral da PSP e todas as estações da Linha de Cascais da CP. Dias mais tarde, Bruno Leal morreu debaixo de um comboio na estação de Belém. A sua morte ficará para sempre como o primeiro homicídio a ser cometido nas linhas de comboio do país. O funeral do jovem sai hoje, às 10:30 h, da Igreja de Leceia para o cemitério de Barcarena.

(In:http://dn.sapo.pt/2006/01/12/cidades/morte_jovem_belem_podia_sido_evitada.html)

Nota: Há que confirmar se foi de facto o primeiro homicídio com comboio...

22 de Maio de 2005

Comboio versus atrelado:

Gouveia, Portugal
Comboio colidiu com um atrelado.
Um comboio regional que fazia a ligação Coimbra-Guarda colidiu sexta-feira, às 20:34 h, com o atrelado de um veículo pesado que se encontrava imobilizado numa passagem de nível a 500 m da estação de Gouveia, distrito da Guarda. Do acidente não resultaram quaisquer feridos mas o maquinista teve de fugir para o interior da composição, depois de ter accionado o freio, para salvar a vida, uma vez que a cabina de comando do comboio ficou totalmente destruída, disse o porta-voz da CP, Bruno Martins.
A circulação foi retomada às 10:30 h de ontem, mas com limitações em termos de velocidade, já que a linha ficou bastante danificada. Razão pela qual ao longo do dia a circulação sofreu atrasos e, em alguns casos, foi necessário efectuar transbordo rodoviário dos passageiros, nomeadamente os do comboio Sud Express, que tinha passagem prevista naquele local para as 06:30 h.

(in: http://dn.sapo.pt/2005/05/22/sociedade/gouveia_comboio_colidiu_um_atrelado.html)

7 de Julho de 2006

Comboio contra velha:

Mulher trucidada por comboio em Miramar, Portugal

Uma septuagenária morreu ontem, por volta das 11.30, ao atravessar a linha de comboio no apeadeiro de Miramar, em Vila Nova de Gaia, provocando o corte da linha durante cerca de uma hora meia. A mulher, de 77 anos, natural e residente em Penafiel, encontrava-se acompanhada pelo marido quando foi trucidada pelo comboio Alfa-Pendular que circulava no sentido Porto-Lisboa, disse ao DN fonte da GNR. O companheiro da vítima, também septuagenário, não foi atingido pela composição nem sofreu quaisquer ferimentos mas, à chegada dos Bombeiros Voluntários da Aguda, que encontraram o corpo já cadáver, "encontrava-se obviamente em pânico".
Presumivelmente, o casal estava naquela localidade para pagar uma promessa à 'santa' Adelaide - um local de culto, embora não reconhecido pela Igreja Católica Romana, na freguesia vizinha de Arcozelo.
Devido ao acidente, a circulação esteve interrompida nos dois sentidos (Porto-Lisboa) até cerca das 13 h, causando atrasos de cerca de uma hora em dois comboios Intercidades e, de
2 h e 30 min em dois comboios Alfa Pendulares, segundo informou uma fonte do gabinete de imprensa dos Caminhos-de-Ferro Portugueses (CP). Ainda de acordo com o mesmo gabinete da CP, a interrupção da linha forçou também à supressão parcial de alguns comboios urbanos do Porto, com transbordo rodoviário entre os apeadeiros das localidades da Granja e Valadares.
Ao local do acidente acorreram duas viaturas e sete homens dos Bombeiros Voluntários da Aguda, uma viatura e dois homens dos Bombeiros Voluntários de Valadares, assim como uma ambulância do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) de Vila Nova de Gaia, que procederam ao levantamento do corpo trucidado e à limpeza dos carris. O corpo da vítima foi enviado para o Instituto de Medicina Legal (IML) do Porto, onde será realizada a autópsia.

(in: http://dn.sapo.pt/2006/07/07/cidades/mulher_trucidada_comboio_miramar.html)

30 de Outubro de 2005

Comboio versus chuva:

Acidente ferroviário na Índia faz mais de 100 mortos.
Comboio descarrilou devido à chuva e caiu dentro de um rio
Mais de cem pessoas já foram resgatadas sem vida dos escombros do comboio que ontem descarrilou e caiu ao rio, na Índia. Mas as entidades oficiais admitem que o número de vítimas do acidente continue a subir. O acidente ocorreu na madrugada de ontem no estado de Andhra Pradesh, a cerca de 30 quilómetros de Hyderabad.
"Mais de 100 corpos foram encontrados mas receia-se que 20 a 30 passageiros tenham sido levados pela forte corrente do rio", disse à imprensa o ministro do Interior do Andhra Pradesh, K.Jana Reddy. O ministro disse que a locomotiva e as sete primeiras carruagens do comboio caíram ao rio devido à enorme força da água que arrancou os carris. Outro governante indiano admitiu ainda que pouco pode ser feito para evitar o acidente.
O Delta Express descarrilou na sequência das fortes chuvas que se têm feito sentir no sul da Índia e que, apenas na última semana, já provocaram a morte a 100 pessoas. Uma tempestade ciclónica na mesma zona também obrigou, nos últimos dias, à retirada de mais de 50 mil pessoas. Mergulhadores da Força Aérea e da Marinha, apoiados por helicópteros e embarcações, tentavam ontem resgatar as vítimas das carruagens que se despenharam de uma ponte e caíram ao rio. Os primeiros a socorrer as vítimas foram os habitantes locais que se lançaram na água tentando resgatar sobreviventes. No entanto alguns corpos talvez tenham sido arrastados pela forte corrente do rio.

(in:http://dn.sapo.pt/2005/10/30/sociedade/acidente_ferroviario_india_mais_100_.html)

A notícia acaba com uma estatística. Lembro que 74,3 % das estatísticas que se lêem por aí, são falsas. É o caso desta:
Cerca de 300 acidentes ferroviários ocorrem anualmente na Índia.

São mais de 300. Mais.

5 de Junho de 2005

Comboio versus homem:

Oeiras, Portugal
Homem colhido por comboio
Um homem, aparentando ter entre 30 e 35 anos, ficou gravemente ferido depois de ter sido atingido por um comboio que circulava na Linha de Cascais.
O acidente ocorreu pelas 12 h 30 min, a cerca de 200 m da estação de Paço de Arcos, estando as causas do mesmo ainda por esclarecer.

(in:http://jn.sapo.pt/2005/06/05/grande_lisboa/homem_colhido_comboio.html)

3 de Julho de 2005

Comboio versus comboio:

ÁUSTRIA
Choque perto de Salzburgo


A colisão entre dois comboios turísticos perto de Salzburgo, na Áustria, provocou, ontem, dois mortos e 33 feridos, alguns dos quais em estado grave.

Os dois comboios colidiram, por razões ainda indeterminadas, num troço de via única, a três quilómetros da estação de Bramberg. Em consequência, registou-se também o descarrilamento de diversas carruagens.

As duas locomotivas ficaram completamente destruídas. O choque fez projectar para o exterior alguns dos passageiros. Cerca de dez outros ficaram prisioneiros nas carruagens viradas ao contrário ou tombadas, tendo de ser desencarcerados, numa operação que se prolongou por mais de duas horas. No total, viajavam 42 pessoas. Segundo o porta-voz dos serviços de emergência, há estrangeiros na lista das vítimas. No entanto, não foram reveladas as respectivas nacionalidades.

Um erro humano terá estado na origem do acidente. Um dos dois comboios, que deveria ter esperado noutra linha, fez-se ao troço de via única, sem o maquinista ter verificado que, em sentido contrário, circulava ainda a outra composição.

Os feridos foram evacuados por helicóptero para os hospitais da região. Alguns cicloturistas constarão na lista de passageiros feridos.

O acidente aconteceu numa linha ferroviária turística que faz um percurso de 54 quilómetros e passa por uma zona muito visitada pelas suas impressionantes quedas de água, perto de Krimml. A linha, de via estreita, foi inaugurada em 1898.


comboio versus máquina de inspecção de linhas:

O último acidente ferroviário na Áustria ocorreu em Outubro de 2002. Tratou-se de uma colisão entre um comboio de mercadorias e uma pequena máquina de transporte e inspecção de linhas. Quatro mortos e dois feridos graves resultaram desse acidente.

mercadorias versus passageiros:

Um outro, o mais grave do pós-guerra na Áustria, remonta ao ano de 1951, quando chocaram um comboio de mercadorias e um de passageiros numa estação ferroviária. Nessa colisão registaram-se 22 vítimas mortais.

(in:http://jn.sapo.pt/2005/07/03/ultima/choque_perto_salzburgo.html)